4 MITOS, TABUS E PRECONCEITOS

Atualizado: 5 de Dez de 2019

O que são? Por que existem? Você sabe que está imerso neles? Que eles atuam sem você perceber?

Nos movimentos diários, nem percebemos que eles estão em nosso cérebro, nos limitando e conduzindo, fazendo com que respondamos com julgamentos na convivência diária.

Podemos começar então a nos questionar sobre o que vemos em relação a isso nos outros, sabemos descrever? Sim, nos outros é bem mais fácil, mas em nós, não. Pensamos que somos pessoas boas e justas, que não julgamos e que não temos preconceitos. É necessário então uma análise mais detalhada sobre como fomos criados, o que nossos pais nos transmitiram, pois assim eles foram criados. Comece então a observar como seus pais se comportam nos comentários sobre outras pessoas, faça uma lista, e reflita em você. Se você encontrar semelhanças não será por acaso, mas assim verá que seu cérebro está repleto de crenças, mitos e tabus que te regem 24 horas por dia.

No Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, mito significa: 1. Personagem, fato ou particularidade que, não tendo sido real, simboliza não obstante uma generalidade que se deve admitir. 2. Coisa ou pessoa que não existe, mas que se supõe real. 3. Coisa só possível por hipótese; quimera. Tabu: 1. [Religião] Proibição de determinada ação, de aproximação ou contato com algo ou alguém que é considerado sagrado. 2. [Religião] Lugar, animal, objeto, coisa ou ação proibidos por temor de castigo divino ou sobrenatural. 3. Medo ou proibição de origem religiosa, social ou cultural. 4. Assunto de que não se pode ou não se deve falar. 5. Que é proibido. = INTERDITO 6. Que não se pode ou deve proferir ou de que não se pode ou não se deve falar. E preconceito: 1. Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial. 2. Opinião desfavorável que não é baseada em dados. Objetivos. = INTOLERÂNCIA 3. Estado de abusão, de cegueira moral. 4. Superstição.

Podemos observar então, que de mitos e tabus escorregamos fatalmente em preconceitos.

Vou contar a vocês uma história, mas qualquer semelhança com algum caso conhecido é mera coincidência.

Certo dia, uma senhora de 82 anos, forte, disposta e com muita vontade de viver, me abordou para falar de algo que acontecia com ela: sentir desejo sexual e sonhar com isso. Normal até aqui, não fossem as amigas da mesma idade e viúvas como ela a julgando e implicando até com o comprimento de seus vestidos. É normal para você uma senhora de 82 anos sentir desejo sexual? Ou será que esta pessoa não está adequada a idade dela?

Agora, vou contar uma história pessoal. Estava visitando uma pessoa com mais de 64 anos, enquanto eu tinha 56 na época. Quando disse a ela que estava fazendo cursos na área da sexualidade, ela disse que eu estava na contramão do que seria correto para a minha idade - eu deveria estar orando, participando de grupos de oração pelos filhos, pois daqui em diante só isso era útil e necessário.

Chamo a atenção aqui de vocês leitores, por que nós, mulheres, fêmeas, quando ficamos viúva e entramos na menopausa, não temos mais o direito de sentir desejo sexual, se relacionar, ter atos sexuais e vivenciar esta etapa da vida de acordo com nosso potencial físico e emocional?

Vocês vão me dizer, ok, cada um faz o que quer de sua vida, mas será mesmo que quando vejo uma idosa de 82 anos falando sobre isso não vou me escandalizar? Ah mas hoje em dia não é mais assim, mas é sim, esta idosa e esta senhora de mais de 64 anos estão vivendo o hoje, os tempos modernos.

Buscando nos mitos, que é nosso assunto de hoje, vejo que existe um que diz que idosos não sentem desejo sexual, e isto é sério, pois foi passado de geração para geração, e todos tem isso impregnado no cérebro, e que uma hora ou outra se manifestará, e muitas vezes será como preconceito, julgamentos, críticas e até desrespeito a quem se dá ao luxo de dizer que sente sim o desejo.

Também observei que estas pessoas que falaram dessa idosa são sisudas, tristes e amargas[EM1] , pois assim que se tornaram viúvas, jogaram para debaixo do tapete o desejo sexual e estão se implodindo na revolta sem ao menos saber o porquê.

Como elas vivem? Como pessoas muito religiosas, de moral ilibada, não convivem com pessoas que “não prestam” e se convivem por necessidade, as consideram perdidas e sem moral.

Este é um mito que não percebemos muito, pois no mundo dos idosos não nos adentramos. Seus desejos não tem tanta importância, afinal de contas, já casaram, tiveram filhos, ficaram viúvas e estão na menopausa, o que mais resta, não é mesmo? Como diz um ditado popular: hora de pegar o terço e rezar, pois, o fim está próximo.

[EM1]Sugiro mudar.


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

autoconhecimento@ednamartin.com.br

(14)997176291

  • YouTube
  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Twitter ícone social

Orgulhosamente criado com Wix.com